A centralidade da pessoa na intervenção em nutrição e saúde - CREN
16576
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-16576,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

A centralidade da pessoa na intervenção em nutrição e saúde

01-artigoA ASSISTÊNCIA em saúde tem vivido um enorme avanço tecnológico nos últimos cinquenta anos; não obstante, a preocupação com o fator humano tem merecido espaço cada vez maior nas pesquisas e intervenções dessa área. Para lidar com o homem, porém, é preciso considerar dois fatores: a experiência vivida da pessoa e a atuação de sua liberdade no processo decisório. Em condições extremas de pobreza, como é o caso da desnutrição, a pessoa pode fazer experiências de solidão, impotência, fatalismo, velamento, não-realização de um ideal e debilidade física e psíquica.

Uma intervenção em saúde junto a essa população deve considerar tais condições. Deve, ao mesmo tempo, afirmar a liberdade incondicional de cada pessoa e o fato de ela se mover por um desejo infinito de felicidade. Pesquisas recentes demonstram que a felicidade tem influência direta sobre a saúde física. Portanto, para que uma intervenção em nutrição e saúde tenha êxito, é necessário considerar que significado ela terá para a vida – e para a felicidade – das pessoas envolvidas. A consideração operativa desses fatores contribuirá para que a atuação seja efetiva e duradoura.

 

 

 

A centralidade da pessoa na intervenção em nutrição e saúde

PALAVRAS-CHAVE: Desnutrição; Pobreza; Pessoa; Experiência vivida; Intervenção em saúde.

AUTOR: Gisela Maria Bernardes Solymos

ANO: 2006

 

PREENCHA O FORMULÁRIO E RECEBA O LINK PARA DOWNLOAD: