CREN elabora artigo para Relatório da Abrinq - CREN
18488
post-template-default,single,single-post,postid-18488,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

CREN elabora artigo para Relatório da Abrinq

abrinq

30 ago CREN elabora artigo para Relatório da Abrinq

abrinqO CREN participou da elaboração do VI Relatório: Um Brasil para as Crianças e os Adolescentes, da Fundação Abrinq. O documento analisa os indicadores sociais e políticas nacionais implementadas de 2015 a 2018. O texto do CREN trata de Segurança Alimentar e Nutricional na Infância.

Relatório Abrinq

A gerente clínica do CREN, Maria Paula de Albuquerque, foi autora do texto junto com o nutricionista da equipe Adolfo Mendonça. Ela avalia como de muita importância a participação no Relatório da Abrinq.

“O CREN tem como missão o combate à má nutrição infantil, à pobreza e à desigualdade social. A possibilidade de participar de uma rede como a da Abrinq oportuniza soma de saberes e fortalece nossa própria rede. A segurança alimentar é de fundamental importância na garantia de direitos. Por isso, deve ser abordada sempre que se fala de rede de proteção. Cabe lembrar que esta próxima geração viverá menos que seus pais e morrerá por doenças causadas pela má nutrição.”

Confira a seguir um trecho do artigo “Segurança alimentar e nutricional na infância” de Maria Paula de Albuquerque e Adolfo Mendonça:

“A importância da alimentação e nutrição e suas repercussões na morbimortalidade infantil são amplamente reconhecidas. Há um consenso sobre a necessidade de políticas de promoção da alimentação saudável para lactentes e crianças na Primeira Infância, baseadas principalmente na proteção e no apoio à amamentação exclusiva e à alimentação complementar adequada e oportuna.
No Brasil, nas últimas décadas, iniciativas como a Rede Amamenta Brasil, a Estratégia Nacional para Alimentação Complementar Saudável (ENPACS) e a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil emergiram como políticas nacionais de alimentação infantil. Contudo, a implantação de estratégias que objetivam a promoção da alimentação saudável na Primeira Infância apresenta desafios, muitas vezes com programas marcados pela descontinuidade e subnotificação e limitação de dados em sistemas de informação oficiais.”

Clique para acessar todo o Relatório da Abrinq.