Alimentação saudável para criança desde o primeiro ano de vida - CREN
17129
post-template-default,single,single-post,postid-17129,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

Alimentação saudável para criança desde o primeiro ano de vida

alimentação saudável

08 maio Alimentação saudável para criança desde o primeiro ano de vida

Artigo de especialista –

Pollyanna Patriota

Profª  de Nutrição – UFTM –

Ofereça uma alimentação saudável e adequada a faixa etária de seu bebê e crie uma criança com hábitos alimentares saudáveis. Tudo depende dos pais.

alimentação saudávelA Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS) preconizam o Aleitamento Materno Exclusivo, durante os primeiros seis meses de vida, ou seja, a criança deve receber somente o leite materno e nenhum outro líquido ou sólido, com exceção apenas para medicamentos.

O leite humano fornece para a criança até os seis meses de vida os nutrientes (vitaminas, minerais, carboidratos, proteínas, lipídios, água) de forma suficiente em quantidade e em qualidade e com segurança microbiológica.

Raras são as contraindicações do aleitamento materno e, nesses casos (em que somente o profissional de saúde capacitado pode indicar), a melhor saída é procurar um Banco de Leite Humano. Esse Banco recebe doações de Leite Humano e possui em sua estrutura um laboratório de qualidade para analisar, pasteurizar, embalar e distribuir adequadamente o leite para os bebês que precisam.

Amamentar é um ato de amor que somente traz benefícios para a mãe e para a criança

Beneficios para mãe: reduz as chances de desenvolver câncer de mama, ajuda a perder o peso adquirido durante a gestação, melhora o vínculo afetivo mãe-filho, ajuda na regulação adequada dos hormônios maternos, entre outros benefícios.

Benefícios para a criança: favorece um bom desenvolvimento/crescimento prevenindo a má nutrição (excesso de peso/obesidade e baixo peso/ desnutrição ), previne Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs), tais como, obesidade, diabetes, hipertensão, síndrome metabólica. Além disso, a criança amamentada é mais segura do ponto de vista emocional/afetivo.

Como deve ser a alimentação da minha criança para favorecer um ótimo crescimento e desenvolvimento?

Até os seis meses: apenas o Leite materno.

Água: até mesmo nas cidades mais quentes, não há recomendação de adicionar água na alimentação da criança até os seis meses de vida. A mãe, por outro lado, precisa manter-se hidratada, através da ingestão de água, sucos de frutas, frutas suculentas. Nunca pense em hidratar-se com refrigerantes e bebidas adocicadas, pois além de favorecerem o ganho de peso, não cumprem a função de hidratação.

Ingerir de 6 a 8 copos/dia (recomenda-se 1 copo/hora no intervalo das 8 as 19 horas, respeitando-se os intervalos pós-refeições).

Qual seria o risco de dar água para criança em aleitamento materno exclusivo?

Mesmo as águas que compramos engarrafadas podem ser de origem duvidosa e os utensílios normalmente utilizados para fornecer água para a criança (copinhos, chuquinhas) podem ser fontes de contaminação, mesmo sendo higienizados e guardados, por conta do manuseio na hora de dar a água para a criança. Além disso, pelo aleitamento materno, o bebê já recebe cerca de 900 ml de água/dia, o que é completamente suficiente e, qualquer adicional seria considerado excessivo.

alimentação saudávelMeu bebê completou seis meses de vida e até agora está em aleitamento materno exclusivo. Preciso adicionar algum alimento?

SIM. Neste momento, a necessidade de adicionar outro alimento existe. Por quê? O leite humano sozinho não será suficiente nessa idade, para suprir todas as necessidades nutricionais da criança, para manter o crescimento adequado. Além disso, há a necessidade de uma alimentação diferente da consistência líquida, para que haja o aprendizado da mastigação, deglutição, e desenvolvimento adequado da arcada dentária e, ainda, desenvolver um bom comportamento alimentar.

O comportamento alimentar é desenvolvido em grande parte no primeiro ano de vida.

As preferências alimentares pelo doce, salgado, cítrico são adquiridas pelo aprendizado nesta fase da vida.

Alimentação saudável

Se eu forneço  para o meu bebê, refrigerantes, doces, açúcar refinado, chocolate, salgadinhos, frituras, eu estou ensinando ao meu filho a preferir estes alimentos na idade posterior, o que não é uma alimentação saudável. Esse conhecimento adquirido vai influenciar na determinação da saúde atual e na idade adulta.

Dessa forma, os pais são responsáveis também pelo aumento no desenvolvimento de DCNTs.

Escuto sempre pais queixando-se que o filho não aceita frutas, hortaliças, quando, na verdade o aprendizado para aceitação do sabor dos diversos alimentos saudáveis não foram fornecidos na época adequada.

Às vezes até os pais oferecem uma vez ou outra esses alimentos, mas não inserem no hábito alimentar familiar, ou o fazem de forma inadequada, misturando todos os vegetais em uma sopa, por exemplo.

“Bem, mas eu sou pai, mãe, cuidador do bebê e quero o melhor para ele e decidi influenciar de forma positiva as condições de saúde futura e favorecer um estilo de vida saudável, interferindo, numa maior longevidade, com melhor qualidade de vida.” Graças a atitudes de pais conscientes teremos uma população que viverá mais e sofrerá menos de diabetes, hipertensão, obesidade, desnutrição.

Qual o alimento que eu posso incluir na alimentação saudável do meu filho que completou seis meses?

  • Mantenha o aleitamento materno sobre livre demanda. Nesta idade a criança já definiu a frequência e a duração das mamadas, de acordo com suas necessidades fisiológicas.

Como eu saberei se esta etapa foi estabelecida de forma adequada?

  • Pelo crescimento e ganho de peso adequados da criança. Na consulta, o pediatra e/ou nutricionista avaliará no gráfico de crescimento se o seu bebê está crescendo de acordo com o potencial dele(a). A curva deverá ser crescente, ascendente, nunca estacionada ou descendente.
  • Adicione a primeira papa de fruta no horário do lanche da manhã, normalmente entre 9 e 9:30h.
  • A primeira papa de fruta deve ser composta de fruta madura, amassada. Uma fruta deve ser oferecida por vez. Esta fruta deve ser oferecida durante 3 dias, observando se há sinais de intolerância ou alergia (coceira, inchaço, vermelhidão, sintomas respiratórios, gastrointestinais). A cada três dias, mudar o tipo de fruta.

Qual fruta eu devo oferecer?

  • Qualquer fruta, desde que bem higienizada. Dê preferência as frutas da época/estação que são mais nutritivas e mais baratas.

Importante:

A criança tende a empurrar com a ponta da língua a fruta amassada, por conta de um reflexo normal que ainda está presente nesta fase – a protrusão. Não quer dizer que ela não gosta e está rejeitando aquele alimento.

A criança não conhece o doce, salgado, o azedo, pois o leite materno tem um sabor exclusivo que não encontramos em nenhum outro alimento. Nesta etapa é importante não tomar decisões pela criança. Se a mesma empurra com a língua, faz caretas, não quer dizer que não gosta. É apenas uma adaptação à novidade, um sabor novo por vez.

Primeira papinha “salgada” para a criança.

Recebe este nome não por conter sal em excesso, mas por diferenciar-se da papa de frutas que tem sabor predominantemente doce.

Ela deve ser composta por um alimento de cada grupo apresentado abaixo:

alimentação saudávelGrupos de alimentos:

  • Cereais, tubérculos: arroz, aipim/macaxeira/mandioca, batata-doce, macarrão, batatinha, cará, farinhas, batata-baroa/mandioquinha, inhame, milho.
  • Leguminosas: Feijões, lentilha, ervilha seca, soja e grão-de-bico.
  • Legumes, verduras e frutas: Folhas verdes, laranja, abóbora/jerimum, banana, beterraba, abacate, quiabo, mamão, cenoura, melancia, tomate, manga.
  • Carne ou ovo: Frango, peixe, pato, boi, ovo*, miúdos e vísceras.

(Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria – 2008)

(*) O ovo inteiro (gema e clara) cozido pode ser adicionado na alimentação da criança ao completar seis meses, mas seu uso deve ser avaliado pelo profissional de saúde que acompanha a criança. Deve-se levar em consideração se existe história familiar de alergia alimentar comprovada.

ATENÇÃO! Esses alimentos devem ser fornecidos bem cozidos e amassados.

Recomendações importantes:

– Lavar bem os alimentos retirando a sujeira, larvas, insetos, etc.

– Cozinhar bem os alimentos. No caso de legumes e verduras, preferir o cozimento no vapor.

– Nunca coar, peneirar ou liquidificar.

– Nunca fazer sopa, cada alimento deve ser oferecido de forma separada, pois como posso desenvolver o paladar para aceitação do feijão, por exemplo, se não aprendi o sabor do feijão?

Qual a quantidade  de alimentos que devo oferecer em cada refeição?

A partir de 6 meses: iniciar com 2 a 3 colheres de sopa e aumentar conforme a aceitação.

A partir dos 7 meses: 2/3 de uma xícara

De 9 a 11 meses: 3/4  de uma xícara

12 a 24 meses: 1 (uma) xícara ou 250 ml.

OBS.: respeitar os sinais de fome e saciedade da criança. Crianças amamentadas desenvolvem um controle eficaz da saciedade. Não adotar esquemas rígidos.

Esquema alimentar para crianças de seis a 12 meses de vida

  • Até completar 6 meses: Aleitamento materno exclusivo
  • Ao completar 6 meses: Leite materno,1 papa de fruta e 1 papa salgada.
  • Ao completar 7 meses: Leite materno, 1 papa de fruta e duas papas salgadas*
  • Ao completar 8 meses: Gradativamente passar para a alimentação da família (saudável)*
  • Ao completar 12 meses: Alimentação da família (saudável)**

(*) Duas papas salgadas, sendo uma no horário do almoço e outra no horário do jantar.

(**) A alimentação da família que se refere nesta tabela é uma alimentação saudável com consistência normal (livre), mas livre de frituras, não excessivamente condimentada, sem adição de temperos prontos e gorduras (enlatados, embutidos, gordura animal).

Referências bibliográficas:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para profissionais de saúde na atenção básica/ Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção básica – 2ª. Edição – Brasília. Ministério da Saúde 2010.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar e do adolescente e na escola / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia – 2ª edição – São Paulo: SBP,2008.