CREN é modelo em pesquisa sobre direito à alimentação para a FAO - CREN
No final de setembro, o CREN recebeu a visita do professor Pier Pigozzi, da Universidade São Francisco de Quito, Equador. Advogado especializado em Relações Internacionais, Pigozzi está desenvolvendo seu doutorado sobre o Princípio da Interdependência dos Direitos Humanos e irá utilizar a experiência do CREN para a fundamentação. Além do título acadêmico, o trabalho foi aceito como objeto de estudo pela FAO, o braço para Alimentação e Agricultura da ONU.
alimentação, direito, CREN, nutrição
16230
single,single-post,postid-16230,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

CREN é modelo em pesquisa sobre direito à alimentação para a FAO

2016_09_27_pier_pigozzi

03 out CREN é modelo em pesquisa sobre direito à alimentação para a FAO

No final de setembro, o CREN recebeu a visita do professor Pier Pigozzi, da Universidade São Francisco de Quito, Equador. Advogado especializado em Relações Internacionais, Pigozzi está desenvolvendo seu doutorado sobre o Princípio da Interdependência dos Direitos Humanos e irá utilizar a experiência do CREN para a fundamentação. Além do título acadêmico, o trabalho foi aceito como objeto de estudo pela FAO, o braço para Alimentação e Agricultura da ONU.

A ideia por trás da teoria é a necessidade crescente de uma noção mais ampla dos direitos. Baseando-se no Direito à Alimentação, Pigozzi exemplifica que – assim como o CREN estimula e executa – o ato de comer não se restringe, humanamente, à ingestão de nutrientes. “Significa sentar-se a uma mesa, compartilhar do alimento com a família, conversar, preparar boas refeições etc. Tudo isso envolve muito direitos: o Direito à Educação, à Saúde, ao Trabalho, à Liberdade de Expressão, entre outros. ”

Além de conversar com a equipe multiprofissional do CREN, Pigozzi acompanhou o trabalho de alguns grupos, a fim de se familiarizar com o tema da nutrição e os valores da instituição.  “Ao tratar o ser humano de forma universal, respeitando sua dignidade, o CREN demonstra na prática que é possível a concepção do ser humano de forma integral. É preciso recuperar essa visão ampla dos direitos, da vida. ”